Buscar

relatos del otoño


O esmaga

mento das gotas 

Eu não sei, olhe, é terrível como chove. Chove o tempo todo, lá fora fechado e cinza, aqui contra a sacada com gotões coalhados e duros que fazem plaf e se esmagam como bofetadas um atrás do outro, que tédio. Agora aparece a gotinha no alto da esquadria da janela, fica tremelicando contra o céu que esmigalha em mil brilhos apagados, vai crescendo e balouça, já vai cair e não cai, não cai ainda. Está segura com todas as unhas, não quer cair e se vê que ela se agarra com os dentes enquanto lhe cresce a barriga, já é uma gotona que pende majestosa e de repente zup, lá vai ela, plaf, desmanchada, nada, uma viscosidade no mármore. Mas há as que se suicidam e logo se entregam, brotam na esquadria e de lá mesmo se jogam, parece-me ver a vibração do salto, suas perninhas desprendendo-se e o grito que as embriaga nesse nada do cair e aniquilar-se. Tristes gotas, redondas inocentes gotas. Adeus gotas. Adeus.

Julio Cortázar relatos del otoño



Não sei se é a terra fértil ou o que

mas no Vale Sagrado as gotas andam se jogando

ver ti gi no sa men te (les parece hacer bien!)

Tem de chuva


de orvalho



e até gota de aranha



E o outono tem nos feito poesia

no jardim...




Cristal Obelar

Acompanhe

  • YouTube Basic Black
  • Facebook Basic Black